Labels

Monday, June 2, 2014

CINEMA XENON, O TEMPLO DO TERROR

O cinema de terror nunca foi muito bem tratado pelas nossas distribuidores de cinema, uma situação que tem piorado com o passar dos anos. Por exemplo, em 2013 estrearam em Lisboa 342 filmes, dos quais apenas cerca de 10 eram deste género que eu adoro. Este ano, já vamos nas 126 estreias aqui na capital e apenas três se podem integrar no género. Mesmo em vídeo a oferta é pobre e escassa.

Enquanto género, o Terror é um dos que tem mais fiéis seguidores e uma prolifera produção mundial, da qual chega cá uma muito pequena percentagem. Quando em 1981 apareceu o Fantasporto pensei, ou melhor, sonhei que a situação ia melhorar, mas enganei-me. O mesmo aconteceu com o MOTELx, onde as salas cheias não convencem os nossos distribuidores de que há um público para este tipo de cinema.

Sempre sonhei que, tal como acontecia noutras capitais europeias, Lisboa ia ter um dia uma sala especializada no género e não me refiro às frustrantes “scary room” dos Cinema City, onde é muito raro exibirem filmes de terror. Não, o que eu queria era um sala que mostrasse algum carinho e interesse pelos fãs do género e a verdade é que durante uns tempos, houve uma sala que cumpriu mais ou menos essas funções, tornando-se uma espécie de templo cinéfilo para os amantes do Terror. Refiro-me ao extinto Cinema Xénon, ali para os lados dos Restauradores.

Curiosamente, o Cinema Xénon abriu as suas portas no dia 25 de Julho de 1980, o dia do meu 16º aniversário. De acordo com um artigo da época era “uma confortável salinha integrada num centro comercial, com capacidade para 202 espectadores e uma boa visibilidade, o que é imporgante. As condições acústicas são óptimas, para o que contribui uma coluna multicelular e um painel de 4 altifalantes que asseguram uma potência de 100 watts de saída. Dizem os responsáveis pelo Xenon que ali se vai mostrar cinema de boa qualidade. Fazemos votos que sim.” in Diário de Lisboa.

O filme de inauguração era um drama com contornos de ficção científica intitulado A RAPARIGA DE OURO (Goldengirl); contava a história de um médico neo-nazi que tenta transformar a sua filha numa super atleta de forma a que esta ganhe os jogos olímpicos. Sim, não era um filme de terror, mas foi o primeiro filme que vi neste cinema.

No início da sua carreira, nada na sua programação levaria a pensar que o Terror iria encontrar ali um lugar cativo. Filmes como GLÓRIA de John Cassavetes e SYBIL com Sally Field foram alguns dos ocupantes do ecrã do Xenon, mas no dia 5 de Novembro de 1980, este cinema descobriu a sua vocação. Foi nesse dia que estreou O NEVOEIRO de John Carpenter e o filme manteve-se em exibição nessa sala de cerca de 200 lugares durante 12 semanas.

De repente, os responsáveis pela programação do Xenon, perceberam que havia um público ávido por emoções fortes e, aos poucos e poucos, começaram a estrear filmes do género. Ao NEVOEIRO seguiram-se OLHOS ASSASSINOS, CHAMADA MISTERIOSA, INFERNO de Dário Argento, NOITE FATAL com a Jamie Lee Curtis, FIM DE SEMANA SANGRENTO e TERROR NO HOSPITAL. Pelo meio destes filmes, houve um bem sucedido ciclo de verão dedicado a John Carpenter com a exibição de HALLOWEEN (rebaptizado de AS NOITES DE HALLOWEEN), NEW YORK 1997, ASSALTO À 13ª ESQUADRA e, como não podia deixar de ser, O NEVOEIRO. Acho mesmo que o Carpenter e o Xenon formaram uma dupla de sucesso, que se prolongou com CHRISTINE e AS AVENTURAS DE JACK BURTON NAS GARRAS DO MANDARIM.

Outro grande nome do género, Lúcio Fulci, também teve alguns dos seus filmes em estreia neste cinema: O ESTRIPADOR DE NEW YORK, O MEDALHÃO DO MAL, ENIGMA e ZOMBI 3. Claro que algumas sequelas de séries de sucesso também estrearam por lá, como por exemplo SEXTA-FEIRA 13 – CAPÍTULO FINAL, VAMPIROS EM FÚRIA (o infamado THE HOWLING 2), o excelente EXORCISTA 3, A PROFECIA MALDITA (THE OMEN IV) e, sem surpresas, HALLOWEEN 4 – O REGRESSO DO ASSASSINO.

É óbvio que muitos dos filmes que por lá passaram não eram bons, mas, sem querer ser exaustivo aqui ficam os títulos de alguns dos melhores ou mais interessantes que por lá passaram: O ELEVADOR (outro grande sucesso), o delicioso NOITE DOS ARREPIOS, o gozado O REGRESSO DOS MORTOS VIVOS (considerado “filme de qualidade”!!!), ALARME MORTAL (um antecessor de  RESIDENT EVIL), Jamie Lee Curtis em O REGRESSO DO COMBOIO DO TERROR, o excelente A NOITE DO ESPANTO e a sua sequela, OS RAPAZES DA NOITE (THE LOST BOYs), SCHOCKER – 100 MIL VOLTS DE TERROR de Wes Craven, a fabulosa Barbara Hershey em O ENTE MISTERIOSO, o infelizmente esquecido BLOB – OUTRA FORMA DE TERROR, o arrepiante A MALDIÇÃO DOS ESPANTALHO, o divertido UMA CASA ALUCINANTE e o atmosférico A DAMA DE BRANCO.

Nas noites de estreia de muito destes filmes as caras dos espectadores repetiam-se e acho que, tal como eu, eles se sentiam em casa. Como quase todas as coisas boas, algum dia havia de acabar. O sucesso de público de 11 DIAS ONZE NOITES de Joe D’Amato e outros filmes do género erótico-chachada, aliados a filmes de terror de qualidade duvidosa (PÁSSAROS ASSASSINOS, A FLORESTA MALDITA, são exemplos), começou a afastar os fãs do género e o público em geral. Não consegui descobrir em que data é que o Xenon fechou as suas portas, mas antes de o fazer ainda estreou em Fevereiro de 1996, sem grande sucesso, O NOVO PESADELO DE FREDDY KRUEGER de Wes Craven.

Hoje, esta sala foi transformada numa Igreja Pentecostal. Quem diria que um cinema que tanto deu aos fãs do Terror se viria a transformar num templo religioso! Quem ficou a perder fomos nós os cinéfilos de Lisboa, principalmente os amantes do género.

Como os sonhos nunca morrem, continuo na esperança que um dia uma das nossas salas de cinema se especialize neste género. Tenho a certeza que os fãs, e somos muitos, iriam gostar. Por exemplo, os responsáveis pela programação das salas UCI no Corte Inglês em Lisboa, bem podiam ceder uma das salas, podia ser a mais pequena, ao Terror.




 









4 comments:

  1. Obrigado, Jorge, por este artigo sobre uma sala de cinema marcante. Também gosto de filmes de terror. A iconografia do teu post é muito boa. Imagino que sejam recortes teus, não é? Ainda bem que os guardaste. Também tenho uns programas antigos do Apolo 70, aqueles feitos pelo Lauro António. Como em tempos fiz uma tese de mestrado sobre as salas de arte e ensaio, deves compreender este meu entusiasmo pelas salas, atuais e passadas. É uma das minhas paixões mais antigas e duradouras. Agora vivo em Paris e quase todos os dias vou às melhores salas que conheço, quase todas históricas, do tempo de ouro da cinefilia clássica e do movimento arte e ensaio. Aqui o passado ainda está muito presente. Em Portugal, o passado existe quase só nas memórias e nos gestos como o teu, mostram ao presente o que de melhor foi feito antes. Obrigado. Continuação de um bom trabalho.

    ReplyDelete
  2. É verdade João, os recortes são meus. Desde muito novo que me apaixonei pelos cartazes de filme e comecei a recortar e guardar os que eram publicados nos nossos jornais (hoje é raro publicarem algum). Também guardava religiosamente os programas e alguns bilhetes. Tudo isto faz parte do baú das minhas memórias.

    Tens razão, em Portugal o passado desaparece e ninguém parece importar-se muito com isso. Acho que os lisboetas deixaram de ser cinéfilos e isso é triste, muito triste.

    ReplyDelete
  3. Grande post Jorge. Eu como grande fã de Terror, adoraria que uma sala destas voltasse a existir, pois infelizmente em Portugal só se lembram da cinematografia fantástica quando há eventos como o MotelX e o FantasPorto. Mas os fãs gostam destes filmes o ano inteiro e seria bom e até rentável, pois acredito que iriam mais pessoas a uma sala específica de um género como este do que vão para ver um filme chamado comercial.

    ReplyDelete
  4. Obrigado Bruno. Seria óptimo que algum distribuidor lesse esta "crónica" e ficasse inspirado para criar uma sala específica para o género, de preferência que não fosse da Lusomundo ou Zon ou NOS...

    ReplyDelete