Labels

Thursday, May 11, 2017

INNER GHOSTS – Campanha no Kickstarter

A campanha no Kickstarter para apoiarem o filme de terror de produção portuguesa INNER GHOSTS de João Alves, está neste momento em aberto e assim se manterá até dia 1 de Junho. Agora é a nossa grande oportunidade de dar apoio a este filme, aqui fica o link: kickstarter.inner-ghosts

Entretanto, aproveito para partilhar convosco dois novos cartazes para o filme.

Se estiverem interessados, podem ler mais um pouco sobre este filme clicando aqui ou visitando o www.innerghosts.com




Wednesday, May 10, 2017

VIRAL de Henry Joost e Ariel Schulman

A História: Uma estranha pandemia está a dar cabo da população mundial. Numa pequena cidade da Califórnia, as irmãs adolescentes Sofia e Stacey vêem-se separadas dos pais por causa da quarentena que isola a cidade e tentam sobreviver sozinhas. Quando Stacey é infectada, a outra decide fazer tudo para salvar a mana, mesmo que isso ponha em risco a sua vida.

Os Actores: As jovens Sofia Black-D’Elia e Analeigh Tipton dão credibilidade e simpatia às suas personagens, fazendo-me interessar pelo seu destino. A primeira é a filha certinha, virgem e determinada; a segunda é a filha rebelde, mas também frágil. Travis Tope é o insonso namorado da primeira e Machine Gun Kelly o marado namorado da segunda; ambos encaixam bem nos seus personagens.

O Filme: O cinema de terror sempre se deu bem com produções de baixo custo, anteriormente chamadas de “série B”, e este é um bom exemplo do que digo. Não há dúvida que ultimamente tem havido muitas histórias que misturam zombies com pandemias; o que distingue este filme dos outros é a sua pequena dimensão. Os realizadores Henry Joost e Ariel Schulman abordam o tema de forma intimista, estando mais interessados na relação entre as duas irmãs e como elas lidam com o problema. A acção, em ritmo lento, é eficaz em criar uma sensação de claustrofobia, mesmo nas cenas ao ar livre e isso resulta em beneficio do filme. Quem for ver este filme à procura de grandes cenas de pânico ou muito gore, vai ficar decepcionado, se bem que as cenas com os vermes (a fazer lembrar THE STRAIN) podem deixar os estômagos mais fortes um pouco indispostos. Não é uma obra-prima, mas tem suspense quanto baste e recomendo aos fãs do género.

Classificação: 6 (de 1 a 10)



Tuesday, May 9, 2017

FOGE (Get Out) de Jordan Peele

A História: Daniel, um jovem negro, vai passar o fim-de-semana à casa dos pais de Rose, a sua noiva branca, e é muito bem-recebido por eles. Mas há algo de estranho com os dois negros que trabalham em casa dos futuros sogros.

Os Actores:  Para mim era importante criar empatia com Daniel Kaluuya, mas achei-o irritante, arrogante (com ar de quem achava que todos os outros personagens eram estúpidos) e com um sorriso idiota. No papel de Rose, Allison Williams não me convenceu como boazinha e a sua personagem nunca chega a ganhar a força que devia ter. Catherine Keener vai bem como a mãe e não é difícil acreditar que ela consiga hipnotizar pessoas com a sua voz envolvente. Mas em termos de elenco, a melhor é Betty Gabriel, como a criada, que tem uma cena muito boa em que sorri e chora ao mesmo tempo

O Filme: Um êxito surpresa nos Estados Unidos, chega a nós com fama de ser um excelente filme de terror, talvez por isso eu fosse à espera de mais e melhor. A história não é propriamente original (sem querer revelar muito, trouxe-me à memória o THE SKELETON KEY) e falta-lhe suspense. O facto de ser previsível também não ajuda muito e ninguém tem dúvidas que, por detrás dos sorrisos abertos da família e dos amigos de Rose, algo de estranho e perigoso se passa. O melhor é mesmo o ar de estranheza que Jordan Peele consegue imprimir ao filme e um ou dois momentos inquietantes. O final é um bocado antí-clímax, sem surpresas ou momentos de grande tensão. É verdade, o filme não é mau, mas fiquei decepcionado. No entanto, é de louvar que tenham feito um filme de terror que não é um remake ou sequela de outro título do género.

Classificação: 4 (de 1 a 10)












Tuesday, May 2, 2017

GUARDIÕES DA GALÁXIA 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2) de James Gunn

A História: Após terminarem com sucesso um “trabalhinho” para os Soberanos, os Guardiões vêem-se perseguidos por estes e são salvos pelo estranho Ego, que é na realidade o pai de Quill. É no planeta de Ego, que os Guardiões mais uma vez são obrigados a lutarem pelas suas vidas e a salvar a galáxia da total aniquilação.

Os Actores: O divertido elenco original está de volta e mais uma vez nenhum deles leva nada disto muito a sério, o que é bom. Desta vez, a acompanhá-los têm Kurt Russell e, num papel muito secundário, Sylvester Stallone, e ambos encaixam na perfeição neste universo. Mas a melhor nova adição é Pom Klementieff como a deliciosa Mantis.

O Filme: O primeiro GUARDIÕES DA GALÁXIA foi para mim uma verdadeira surpresa e adorei todos os momentos; esse filme captava com mestria e humor o espírito aventureiro da saga original do STAR WARS. Como seria de esperar, uma sequela era inevitável; mas será que conseguiram manter a qualidade? A resposta é: nem por isso. Perdeu-se o elemento surpresa, mas o divertimento está de volta, apenas não tem o ar refrescante do primeiro. Desta vez temos mais naves, mais explosões e uma história menos interessante. O que mais me surpreendeu foi o lado sentimental, a roçar a lamechice com tanta reunião familiar (o final com as naves dos Saqueadores a lançarem fogo de artificio chega a ser piroso). Do que eu mais gostei foi das cenas no interior da nave dos Saqueadores, onde Rocket e Baby Groot estão aprisionados. Espero que com o terceiro volume da saga voltem ao bom caminho, mas até lá este serve para nos entreter durante cerca de duas horas.

Classificação: 6 (de 1 a 10)